É Natal, veja Sr. Jesus Cristo libertando os que estão presos.Video impressionante

[YOUTUBE=http://www.youtube.com/watch?v=xB-t345E8-M]

Jesus: único, incomparável, maravilhoso – em Sua Personalidade

Sua grandeza

Uma edição da “Enciclopédia Britânica” usa 20.000 palavras para descrever a pessoa de Jesus. Essa descrição ocupa mais espaço que a de Aristóteles, Cícero, Alexandre, Júlio César, Buda, Confúcio, Maomé ou Napoleão Bonaparte.

Eis o que disseram sobre Jesus algumas personalidades conhecidas:

Rousseau: “Conseguir inventar ou criar a história de uma vida como a de Jesus seria um milagre maior do que foi Sua existência real.”

Napoleão, que cobriu de guerra a metade da Europa, escreveu em seu diário ao final de sua vida: “Com todos os meus exércitos e generais, por um quarto de século não consegui subjugar nem um único continente. E esse Jesus, sem a força das armas, vence povos e culturas por dois mil anos.”

Ao conhecido historiador H. G. Wells foi perguntado: quem mais influenciou e marcou a história? Ele respondeu que, considerando a grandeza de uma personalidade conforme os aspectos históricos, a pessoa de Jesus Cristo está em primeiro lugar.

E o historiador Kenneth Scott Latourette afirmou: “Quanto mais o tempo passa, mais óbvio se torna que Jesus, por Sua influência na história, viveu neste planeta a vida de maior significado para a humanidade. E Sua influência parece aumentar mais e mais”.

Ernst Renan fez a seguinte observação: “Na área religiosa, Jesus é a figura mais genial que jamais viveu. Seu brilho é de natureza eterna e Seu reinado jamais acaba. Ele é único em qualquer sentido e não pode ser comparado a ninguém. Sem Cristo não se entende a história.”

A Bíblia nos ensina que Jesus Cristo é maior que tudo. Só na Epístola aos Hebreus encontramos as seguintes afirmações:

  • Jesus é maior que os anjos (Hebreus 1.1 a 3.19).

  • Jesus é maior que o sacerdócio de Arão (Hebreus 4.1 a 6.20).

  • Jesus é maior que as revelações do Antigo Testamento (Hebreus 7.1 a 8.13).

  • Jesus é maior que todos os santuários e sacrifícios do Antigo Testamento (Hebreus 9.1 a 10.39).

  • Jesus é o Autor e Consumador de toda a fé (Hebreus 11.1 a 12.3).

Sua vida sem pecado

Você conhece a oração que o próprio Jesus nunca orou? Trata-se da oração do Pai Nosso. Jesus a ensinou, mas Ele próprio não a orava porque não havia necessidade, principalmente o pedido: “…perdoa-nos as nossas dívidas…” Jesus era sem culpa, sem pecado, completamente puro. Por isso Ele nunca teve de arrepender-se de alguma coisa que tivesse feito; por essa razão Ele nunca precisou pedir perdão pelos Seus próprios pecados, nem pedir desculpas aos outros. Ele sempre se humilhava em lugar dos outros, Ele levou nossos pecados sobre Si. E Ele orou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Jesus não tinha pecado, por isso era Santo e Justo:

  • A mulher de Pilatos mandou dizer ao marido: “Não te envolvas com esse justo.”

  • O próprio Pilatos teve de admitir: “Não vejo neste homem crime algum.”

  • O malfeitor na cruz exclamou: “…este nenhum mal fez.”

  • O centurião romano junto à cruz teve de concordar: “Verdadeiramente, este homem era justo.”

  • Até os demônios reconheceram: “Bem sei quem és: o Santo de Deus!”

Resumindo: Jesus Cristo não teve pecado – ao contrário de todas as outras pessoas e dos fundadores de religiões que já viveram.

H. Bender escreveu sobre Jesus: “Em meio à história do mundo encontra-se uma figura, inserida nessa história em todos os seus aspectos, mas que a tudo sobrepuja. É Jesus Cristo. Ele é completamente diferente, Ele é singular. Ele é o único que podia ousar colocar-se diante de uma multidão hostil e fazer-lhe a pergunta: “Quem dentre vós me convence de pecado”? A única resposta foi o silêncio da platéia, uma resposta eloqüente. Sua vontade estava plenamente inserida na vontade de Deus. Sua postura era completamente dirigida por Deus e direcionada para Deus. Nele não havia discrepância, não havia imperfeição alguma.”

Em Romanos 8.3 está escrito: “…Deus pôs em ação um plano diferente a fim de nos salvar. Enviou seu próprio Filho, em corpo humano como o nosso – com a exceção de que o nosso é pecador – e destruiu o controle do pecado sobre nós, dando-Se a Si mesmo como sacrifício por nossos pecados” (A Bíblia Viva, veja também 1 Pedro 2.22 e Hebreus 4.14).

Sua divindade

Pasteur, importante médico e cientista francês, formulou assim sua opinião acerca da divindade de Jesus: “Em nome da ciência eu proclamo a Jesus Cristo como Filho de Deus. Meu senso científico, que valoriza muito a relação entre causa e efeito, compromete-me a aceitá-lo como fato. Minha necessidade de adorar encontra nEle a mais plena satisfação.”

Que Jesus Cristo é o Filho de Deus, é testemunhado em inúmeras passagens do Antigo e do Novo Testamento.

A Bíblia apresenta Jesus como sendo ao mesmo tempo perfeitamente humano (embora sem pecado) e perfeitamente divino (veja também Isaías 9.5-6; João 1.1-2; 3.16; 8.58; Colossenses 1.15-19; 1 Timóteo 3.16; Hebreus 13.8; 1 João 5.20). A carta aos Filipenses diz de Jesus: “pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens” (Filipenses 2.6-7). Em outras palavras: Ele não agarrou-se à Sua divindade, mas humilhou-se por amor a nós. Em outro lugar o próprio Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (João 10.30).

Em Colossenses 1.19-20 está escrito: “Porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.” A Bíblia Viva diz: “Porque Deus queria que tudo dEle mesmo estivesse em seu Filho. Foi por meio daquilo que seu Filho fez que Deus abriu um caminho para que tudo viesse a ele, todas as coisas no céu e na terra, pois a morte de Cristo na cruz trouxe para todos a paz com Deus através de seu sangue.” Jesus é o único em quem Deus realmente habitou plenamente (portanto, Ele não é apenas mais um dentre os muitos fundadores de religiões!). Jesus é Aquele que resgatou todo o Universo e, portanto, também chegará ao objetivo com ele…” Por isso, em profunda adoração, só podemos citar a passagem de Isaías 46.5: “A quem me comparareis para que eu lhe seja igual? E que coisa semelhante confrontareis comigo?”

Porque aprouve a Deus que, nele (Jesus), residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.”

Se você, prezado leitor, prezada leitora, concordou com o testemunho que a Escritura dá acerca de Jesus Cristo, se você reconheceu a singularidade de Jesus, o mais sensato não seria decidir-se por uma vida com Jesus? Se Jesus é tudo aquilo que Ele afirma ser, isso é razão mais do que suficiente para tornar-se cristão! Faça isso agora, se ainda não o fez! Tome a decisão consciente de entregar a Ele toda a Sua vida e de seguir Seus passos! Pois, se Jesus é o que diz de Si mesmo, se é o que a Bíblia diz dEle e se é o que muitas pessoas experimentaram, então todos precisam dEle para receber o perdão dos pecados e para entrar no reino de Deus. Com Ele ganhamos tudo, sem Ele tudo perdemos, para todo o sempre!

Hamlet, de William Shakespeare, diz: “Perderei, quer viva, quer morra.” O apóstolo Paulo tinha a mais absoluta certeza: “para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Filipenses 1.21). Ele sabia que ganharia em qualquer circunstância! Por isso você deveria impreterivelmente tornar-se cristão, pois sem Jesus você perderá tudo!

Aos 16 anos, Friedrich Nietzsche, chamado “o grande filósofo do ateísmo”, escreveu a um amigo sobre a pessoa de Jesus Cristo: “Eu sei que, se não O encontrar, não terei repostas para minha vida.” E no final de sua vida, durante a qual rejeitou a Cristo, ele escreveu: “Ai daquele que não tem lar!”

O dramaturgo suíço Friedrich Dürrenmatt reconhece em sua obra “Os Físicos”: “Quando deixei de temê-lO, minha sabedoria destruiu minha riqueza.” Mas quem tem a Jesus é rico em tudo: “Porque, em tudo, fostes enriquecidos nele” (1 Coríntios 1.5).

O Espírito do Senhor está sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e para proclamar o ano aceitável do Senhor” (Lucas 4:18-19).

Uma resposta para “É Natal, veja Sr. Jesus Cristo libertando os que estão presos.Video impressionante

  1. Jesus verdadeiramente ainda tem homens de Deus na face da terra como faço pra ter o contato desse pr. para levar ele a Bahia na igreja que congrego na cidade de Candeias-bahia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s